quarta-feira, junho 20, 2007

prioridades na saúde


“Uma mulher de 54 anos sofreu, ontem, uma paragem cardíaca e teve de ser assistida por elementos do INEM em pleno Centro de Saúde de Viana do Castelo. Apesar das tentativas dos médicos daquela unidade, e perante a falta de um desfibrilhador, a reanimação foi conseguida apenas pelos elementos da Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) do INEM chamados ao local.

(…) o director da Sub-Região de Saúde de Viana do Castelo admitiu que aquele Centro de Saúde, situado no centro da cidade, "não dispõe" de desfibrilhador por se encontrar próximo do hospital da cidade. "Como o hospital está a dois quilómetros, a prioridade é chamar o INEM".DN

De facto, nem todas as situações de paragem cardio-respiratória, exigem um desfibrilhador, mas algumas dele necessitam.

Esta situação necessitou.

Estava esta doente num Centro de Saúde com médicos e enfermeiros disponíveis e bem perto também, todo o staff do Centro Hospitalar do Alto Minho.

Uma equipa do INEM estava operacional, disponível e bem perto do local...

.
"O choque eléctrico é um factor fundamental porque muitas vezes não é uma paragem cardíaca mas sim o ventrículo que deixa de contrair e com o choque eléctrico pode recuperar rapidamente." Prof.Dr.Manuel Carrageta, presidente da Fundação de Cardiologia

Desfibrilhador Automático Externo, Powerheart AED G3 Automatic - preço unitário de 2.200,00€ + IVA (a título de exemplo, passo a publicidade)


Qual será a prioridade das prioridades?

.

.

.

1 comentário:

rouxinol de Bernardim disse...

Este caso é muito importante e mereceria o destaque até nas TV's. Mas, infelizmente, os media estão mais atentos a um craque de futebol que "pula a cerca", ou a uma perua do jet-set que consegue o arrastar de asa de um "maduro" qualquer.

Devia haver um desfibrilhador em todos os campos de futebol, em todos os pavilhões desportivos em dias de jogos, em todas as praias do país, no santuário de Fátima, em todos os locais de grande concentração humana ou de risco genérico...

Enfim, estamos no país que estamos, cultivamos os mitos mais degradantes e damos ênfase ao supérfluo, ao piroso, ao ridículo mais estulto.

É URGENTE MUDAR PORTUGAL!